terça-feira, 28 de abril de 2015

O tempo não tem tempo

Foto: Robert Doisneau 


Bem que o tempo poderia ter um pouco mais de paciência, afinal ele tem toda a eternidade.

Eu tenho, apenas, alguns anos e sinto falta dos meus dias.

Onde eles foram parar?

Não me sinto dentro dos dias. Eles passam. Eu fico.

A vida é isso que a gente não tem?

Acho uma injustiça o tempo ser um sopro. Arisco e fora de qualquer encontro.

Não me sinto no tempo. Tudo é volátil. A espera é um verbo intransitável.

Me perco no calendário e sinto como se o passado tivesse mais prestígio que o presente.  

Para que tanta pressa, meu Deus?

Eu só quero os meus segundos e minutos. As horas e os dias. Quero as semanas. Os meses. Os anos. 

Finitos, mas mansos. Reais e presentes. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário